Um cálculo baseado em comparações estatísticas com outros tipos de incidentes aéreos

!cid_image002_jpg@01CBB0FA

Teria de haver um número expressivo de UFOs no espaço aéreo terrestre para honrar tal estatística. Ilustração. Crédito: Exosphere3D

Em todo o mundo vários fatores têm sido relacionados a acidentes de aeronaves. As colisões com pássaros/aves, por exemplo, é fato preocupante observado em número relevante de casos, inclusive no Brasil.
“Esse é um problema bastante significativo. Houve mais de 200 mortes nos últimos 20 anos devido aos pássaros em todo o mundo e 5.000 impactos com esses animais são reportados anualmente”, afirmou
Kevin Poormon, pesquisador e engenheiro do Instituto de Pesquisa da Universidade de Dayton, nos Estados Unidos.
A Administração Federal de Aviação Norte-Americana (
FAA) exige que os aviões possam resistir a impactos de aves com cerca de três quilos e meio, mas por outro lado, de acordo com a Aviation Safety Review, 706 milhões de passageiros voaram em 7,15 milhões de vôos no planeta durante o período de uma década, isso de 1990 a 1999.
Ora, se tivemos 7,15 milhões de vôos em 10 anos então são cerca de 715 mil anuais pelo planeta. Como há uma média de 5.000 colisões por pássaros/aves contra aeronaves por ano, a chance de um pássaro colidir com uma delas seria de uma em 143 vôos. Para que tal impressionante estatística possa se mostrar verdadeira temos que imaginar um número realmente grande de aves sobrevoando os céus a todo instante.
A questão dos UFOs
Em 30 anos seriam 21,4 milhões de vôos acompanhados por cerca de 150 mil colisões de pássaros por ano. Se considerarmos que aproximadamente em 30 anos um  único UFO tenha se chocado contra um avião, então temos a chance de uma colisão contra UFO a cada 21 milhões de vôos. Ocorre que neste período também há relatos de colisões no EUA e em Israel mudando os números para uma colisão a cada 7,15 milhões de vôos.
Um dos indicadores, mais recentes, não pode ser ignorado.
Na China um objeto voador não identificado fez aviões desviarem suas rotas devido ao receio de colisão. E não foi a primeira vez que isto ocorreu em território chinês em 2010. No mês de julho, em Xiaoshan, província de Zhejiang, viu um estranho objeto piscar uma luz brilhante.
Outro caso foi no verão em Hong Kong. Desta vez, foi em um aeroporto no interior da Mongólia, que faz parte da China. Os controladores de vôo que viram o objeto disseram que tentaram, sem sucesso, fazer contato por rádio. Com isso, decidiram desviar três vôos entre as cidades chinesas de Pequim e Xangai para aeroportos próximos.
Um porta-voz disse: “Para garantir a segurança, as aeronaves tiveram que pousar em aeroportos secundários devido ao risco de colisão”.  As autoridades chinesas se recusaram a comentar, mas alguns especialistas acreditam que as três aparições, que têm o formato tubular, poderiam ser evidências de um avião militar chinês novo.
Se montarmos uma regra de três simples veremos que teria de haver um número expressivo de UFOs no espaço aéreo terrestre para honrar tal estatística. Se estes relatos de colisões na literatura ufológica são verídicos, então estamos sendo monitorados numa intensidade e freqüência inimagináveis.

Fonte: www.ufo.com.br

Anúncios